O parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) emitido na segunda-feira, 3 de janeiro, foi favorável ao ex-ministro Geddel Vieira Lima, que pode ser beneficiado com a progressão para o regime semiaberto. Geddel cumpre pena em Salvador pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Em seu parecer, encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF), a coordenadora da Grupo de Trabalho da Lava Jato na PGR, subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, destacou o fato do político já ter cumprido – em regime fechado – a fração da pena necessária à obtenção do benefício.

Histórico

Geddel foi preso preventivamente em julho de 2017, após a Polícia Federal apreender cerca de R$ 51 milhões em dinheiro em um apartamento em Salvador (BA). Denunciado em dezembro do mesmo ano pelo Ministério Público Federal, ele foi condenado em outubro do ano passado a 14 anos e 10 meses de reclusão.

Como já passou mais de 29 meses encarcerado, o entendimento é o de que o ex-ministro reúne as condições exigidas por lei para a progressão de regime. Para a subprocuradora-geral da República, a situação se enquadra no que preveem as súmulas 716 e 717, do STF: a possibilidade de se computar o período da custódia provisória para fins de progressão.

A subprocuradora-geral também afirmou que o juiz da Vara de Execuções Penais, e não o STF, é quem deve se manifestar sobre a redução da pena solicitada pela defesa do ex-ministro com base em períodos trabalhados dentro da prisão. Antes de ir para Salvador, Geddel ficou preso na Penitenciária da Papuda, em Brasília.

Com informações da revista Veja

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Digite seu nome aqui